Posts from novembro, 2013

Professores e Alunos

 

            Euclides Rossignoli

euclides rossignoli

 

 

 

 

 

 

— O senhor aí, que está dando tapinhas nas cabeças do colega. Pra fora da classe!

— Quem professor!? Eu!?

— É, o senhor mesmo. Pra fora da sala!

— Mas eu não fiz nada, professor!

— Eu vi. Vai pra fora da sala!

— Ah, eu não vou, professor.

— Vai pra fora.

— Eu não vou, professor.

— Não vai!?

— Não.

— Pois então fique.

Esse era um professor que tive, meio século atrás. Não lembro o nome dele, até porque todo mundo o conhecia por professor Parafuso. Suas aulas eram uma verdadeira bagunça, e acho que não há necessidade de explicar a razão.

professores e alunos 2

 

Foi em 1852, na Escola Profissional de Ourinhos, na Vila Margarida, lá no fim da Rua 7 de Setembro, perto da linha do trem. Os professores falaram. As professoras falaram. O diretor foi de classe em classe. O uniforme é cáqui. Inteiramente cáqui. Aquele brim meio cor de barro. Vocês sabem. Calça e camisa cáquis. A partir do dia primeiro do próximo mês, ninguém entra na escola sem uniforme. Essa ladainha foi repetida cansativamente durante um mês inteiro 

No primeiro dia do mês seguinte, todo mundo apareceu trajando uniforme cáqui. Calças e camisa cáquis. Uma beleza!

Todo mundo, menos um. Um só. O Aristodemo, filho de um comerciante da Barra Funda, estava de verde. Calças e camisas verdes. Mas precisamente, verde-garrafa.

— Eu não tenho dúvida. Eu ouvi muito claramente e por diversas vezes que o uniforme tinha que ser inteiramente verde-garrafa.

A molecada tinha entre doze e catorze anos. Imagine o leitor a gozação em cima do pobre do Aristodemo, que, aliás, já era visado por causa do seu nome atrapalhado.

***

E já que estamos falando de professores e alunos, aproveitemos para apreciar alguns dos absurdos que o homem é capaz de produzir numa redação de exame vestibular. Vejas as afirmações a seguir. 

Os egípcios antigos desenvolveram a arte funerária para que os mortos pudessem viver melhor.

O petróleo apareceu há muitos séculos, numa época em que os peixes se afogavam dentro d’água.

As aves Têm na boca um dente chamado bico.

O coração é o único órgão que não deixa de funcionar 24 horas por dia.

Quando um animal irracional não tem água para beber, só sobrevive se for empalhado.

O Chile é um país alto e magro.

Na Grécia, a democracia funcionava muito bem porque os que não estavam de acordo se envenenavam.

As múmias tinham um profundo conhecimento de anatomia.

Os estuários e os deltas foram os primitivos habitantes da Mesopotâmia.

O terremoto é um pequeno movimento de terras não cultivadas.

A harpa é uma asa que toca.

Menos desmatamentos é igual a mais florestas arborizadas.

 

 

[youtube] http://www.youtube.com/watch?v=_wGPeLJfoYs[/youtube]

 

 

Menino não entra, a vingança

 

 

 menina não entra

 

Luluzinha vivia querendo entrar no clube do Bolinha, onde era terminantemente proibido entrar meninas.

Os dois, e seus amigos, foram grandes companheiros da minha infância querida, que os anos não trazem mais.

Mas aquela fase de não gostar de tomar banho, como o Cascão, nem de menina, como a turma do Bolinha, não dura muito (felizmente), e os meninos grandes passamos o resto da vida tentando penetrar surdamente no reino das meninas moças, e quem sabe tomar um banho de espuma com elas.

Se a vingança é um prato que se come frio, por culpa do Bolinha e do seu clube recebemos agora o troco de Lulu, o aplicativo só para mulheres que permite a elas avaliar os homens que têm perfil em qualquer rede social. Depois de respondido um questionário variado, que vai de humor, bons modos, ambição, até atributos físicos e desempenho sexual, Lulu apresenta a nota final para o avaliado, que fica à disposição das outras integrantes do clube. E ainda tem o terror de hashtags como #UsaRider e #NãoFazNemCosca! Em compensação, tem também #TrêsPernas…

Nem bem chegou ao Brasil, o clube da Lulu se espalhou como epidemia de dengue, com mais de cinco milhões de downloads.

Se você é homem e tem conta no Facebook, já caiu nas garras de Lulu, querendo ou não,  mas não vai poder entrar no clube e só saberá das notas que recebe se alguma menina da turma de Lulu lhe disser. E não adianta espernear pelas avaliações não autorizadas. Sim, meu caro, quando concordou (sem ler) com todos aqueles termos do Facebook ou de outra rede social, você, como Fausto, vendeu a sua alma ao diabo cibernético dos nossos tempos.

O que dirão Roberto Carlos e a turma do “Procure Saber”?

Parece que há um jeito de deletar os perfis não autorizados, acessando o link http://company.onlulu.com/deactivate. Mas dá trabalho e nem sempre funciona.

O que fazer então?

Ora, não se leve tão a sério, menino. Relaxe e se goze.

 

“Festa do Bolinha” (Roberto Carlos / Erasmo Carlos ), com Trio Esperança 

 [youtube]http://www.youtube.com/watch?v=-_OWFKNxSaA[/youtube]

 

 

Covardia

 

 

 

                                             Amanhece mais um dia

                                             e somos muito covardes para morrer.

                                             Os bravos, destemidos, os heróis

                                             se vão bem cedo

                                             ao invés de nós

                                             que temos medo

                                             e estamos sós

                                             enquanto tarde o ser

                                             à espera do anoitecer.

 

 sol e sombra

 

“A Tarde” (Francis Hime / Olivia Hime), com Leila Pinheiro

 

 

 

Meninos, eu li

 

       Selma Barcellos

Selma no Jardim de Luxumburgo

 

 

 

 

 

 

 

 

Da nossa correspondente em Portugal

 

 

No “Expresso” de 22/11, a propósito de “Tony Nagy, que está a ser investigado por suspeitas de enriquecimento ilícito, fugiu para o velho continente e pediu demissão por e-mail.” , comentário de um leitor que se assina Spitzer:

“O Brasil está a desenvolver-se. Há lá muita corrupção, como em todo o lado, mas lá começa a ser escândalo. Os corruptos têm de fugir do Brasil!

Quando é que os corruptos portugueses também terão de fugir?

Eu não quero viver num país onde os corruptos andam à solta, impunemente, e se tornam ministros e «conselheiros de Estado». Eu quero viver num país de onde os corruptos tenham de fugir, com medo da justiça. Eu quero viver num Brasil!”

 

 ***

 

No “Diário de Notícias” de 24/11, seção Classificados Relax VIP:

 

ANA

Senhora portuguesa, viúva, a  passar dificuldades financeiras, convive com cavalheiros em troca de ajuda! Sem experiência… Desde já agradeço pela atenção…!

 

***

 

Mas hein?

 

 

Ladainha

 

 

ladainha

substantivo feminino

1          prece litúrgica estruturada na forma de curtas invocações a Deus, a Jesus Cristo, à Virgem, aos santos, recitadas pelo celebrante, que se alternam com as respostas da congregação (fiéis e/ou religiosos)

2          Derivação: por analogia.

falação fastidiosa que está sempre repisando as mesmas ideias; enumeração longa e cansativa; esp. repetição monótona e tediosa de queixas e recriminações; lenga-lenga

3          Rubrica: capoeira. Regionalismo: Brasil.

canto rogatório popular na abertura de uma roda de capoeira (‘jogo’)

 

(Fonte: Dicionário Houaiss)

 

 

“Reza” (Edu Lobo / Ruy Guerra), com Edu e Tamba Trio

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=YP0Uic6KCCw[/youtube]

 

 

 

Litanie

 

       Adalberto de Oliveira Souza

Adalberto 2 (2)

 

 

 

 

 

 

 

                   LITANIE

 

                   Il faut continuer

                   pas à pas,

                   il faut renverser

                   de tous les côtés,

                   Il faut réviser

                   ligne par ligne,

                   il faut résister

                   à tous les moments,

                   il faut tergiverser

                   de toutes les manières,

                   il faut se contrôler

                   soi-même,

                   il faut comprendre

                   beaucoup,

                   il faut réitérer

                   ce que l`on croit,

                  il faut croiser

                   les regards,

                   il faut maîtriser

                   notre conduite,

                   il faut retenir

                   ce qu`on a appris,

                   il faut dépasser

                   les obstacles,

                   il faut oser continuer,

                   il faut revenir

                   au point de départ,

                   il faut s`attacher

                   à ce qu`on aime,

                   il faut oublier

                   ce qu`on aime pas,

                   il faut récupérer

                   ce qu`on a perdu,

                   il faut rendre

                   la vérité

                   il faut atteindre

                   la liberté

                   il faut revoir

                   les ans passés,

                   il faut prévoir

                   l`avenir douteux,

                   il faut se perdre

                   pour se retrouver

                   il faut rechercher

                   pour trouver quelque chose,

                   il faut s`extenuer

                   pour se reposer

                   il faut…

                   il faut…

                   il faut…

 

 

                                               LADAINHA

 

                                               É preciso continuar

                                               passo a passo,

                                               é preciso demolir

                                               de todos os lados,

                                               é preciso revisar

                                               linha por linha,

                                               é preciso resistir

                                               em todos os momentos,

                                               é preciso tergirversar

                                               de todas as maneiras,

                                               é preciso controlar-se

                                               a si mesmo,

                                               é preciso compreender

                                               muito,

                                               é preciso reiterar

                                               o que a gente crê,

                                               é preciso cruzar

                                               os olhares,

                                               é preciso dominar

                                               nossa conduta,

                                               é preciso reter

                                               o que apreendemos,

                                               é preciso ultrapassar

                                               os obstáculos,

                                               é preciso ousar

                                               continuar,

                                               é preciso voltar

                                               ao ponto de partida,

                                               é preciso se ater

                                               ao que se ama,

                                               é preciso esquecer

                                               o que não se ama,

                                               é preciso recuperar

                                               o que se perdeu,

                                               é preciso contar

                                               a verdade,

                                               é preciso atingir

                                               a liberdade,

                                               é preciso rever

                                               os anos passados,

                                               é preciso prever

                                               o futuro duvidoso,

                                               é preciso perder-se

                                               para se encontrar

                                               é preciso pesquisar

                                              para encontrar alguma coisa,

                                               é preciso extenuar-se

                                               para se repousar,

                                               é preciso…

                                               é preciso…

                                               é preciso…

 

 litania

 

 

Amores serão sempre amáveis…

 

 

Para mim, entre as cinco mais belas canções de Chico Buarque

 

“E quem sabe, então
O Rio será
Alguma cidade submersa
Os escafandristas virão
Explorar sua casa
Seu quarto, suas coisas
Sua alma, desvãos

Sábios em vão
Tentarão decifrar
O eco de antigas palavras
Fragmentos de cartas, poemas
Mentiras, retratos
Vestígios de estranha civilização”

 

“Futuros amantes” (Chico Buarque), com ele

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=mN306Fkg6Wg[/youtube]

 

 

 

A marca do Zorro

 

               Annibal Augusto Gama

 Annibal

 

 

 

 

 

Ele passou por aqui… Sinais, signos, insígnias, marcas, assinaturas… A marca do Zorro. Até os animais antediluvianos deixaram a sua marca nas rochas. As mãos imprimem o seu molde no cimento fresco, em Hollywood. Os pedreiros mais anônimos, ao cimentarem uma calçada, não raro deixam ali duas letras do seu nome. E ainda fresco o cimento, os cachorros que passam deixam o rastro das suas patas. Marcam-se, com ferro em brasa, os bois e os cavalos. Não se trata sempre de fazer-se conhecer quem é o proprietário. Todos querem deixar o sinal da sua passagem, o seu testemunho de que aqui ou ali estiveram.

O planeta Terra está cheio de cicatrizes e o homem também quis levar o sinal de que ali esteve, na Lua. Até nos túmulos, os epitáfios dizem que ali jaz… No mármore branco das mesas dos cafés e bares, há quem rabisque com um lápis, marcando a sua passagem.

Só o vento, a chuva, removem, das dunas de areia do deserto, as pegadas daqueles que por ali andaram, ou morreram, Quando o homem não se marca a si mesmo com tatuagens, ou, nos muros brancos, recém pintados, não vai borrá-los com as suas grafites, que agora já estão sendo tidos como arte. Há também o desenho dos lábios, de batom, na superfície do espelho, da amante que foi embora, e deixou o seu parceiro adormecido no leito. E os cientistas também circundam de anéis as pernas das aves, ou de outros bichos, para saber para onde vão, para onde emigram.

Tudo em vão. Os homens passam irremissivelmete. Até os arquivos zelosamente guardados, acabam desaparecendo, com o fogo que os destrói, ou com as traças que os roem. Os edifícios desmoronam. A impressão digital é removível, através de cirurgias plásticas.

Que marca ficará de nossa triste ou infame civilização?

Debaixo de que ruínas irão encontrar os sinais de que aqui estivemos, como nos lugares calcinados de Pompeia?

Queremos permanecer, quando tudo é perecer.

A humanidade é uma vã palavra.

 

banheiro pichado

 

 

 

Anjo de mim

 

 

 

“Anjo de mim” (Ivan Lins / Vitor Martins), com Ivan

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=qqhLEiz6nrY[/youtube]

 

O meu amor
Vida pulsar
Dentro de mim

Meu quero mais
Meu querer bem
Meu querubim

Anjo de mim
Me faz amor
Abraçadinho

Meu coração
Começo e fim
Meu pôr-de-mim

O meu amor
É meu luar
Em noite Jobim

É tanto céu
Dedo de Deus
Em meu caminho

Porto de mim
Meu sol, meu ar
Meu tudo enfim

Água é do mar
Como eu sou teu
Cuida de mim

Me leva, me leva